sexta-feira, 16 de junho de 2017

Vitória vai ganhar mais uma faixa exclusiva para ônibus

14/06/2017 - ES HOJE

por Redação Multimídia 

Foto: PMV
Foto: PMV

Para auxiliar na fluidez do trânsito e melhorar o tempo dos ônibus que trafegam próximo às cabines da Terceira Ponte, a Secretaria Municipal de Transportes, Trânsito e Infraestrutura Urbana (Setran) vai criar mais uma faixa exclusiva para os coletivos.

A nova faixa ficará na terceira pista da avenida Desembargador Santos Neves (à esquerda), no sentido Centro, após a faixa de pedestre, no acesso à rua Duckla de Aguiar. Com a nova sinalização, os ônibus irão acessar a rua e, em seguida, a Terceira Ponte, evitando transitar pela praça do Cauê. Essa mudança visa trazer maior fluidez no trânsito desse local.

Para isso, o acesso à rua Duckla de Aguiar, que hoje está fechado, será aberto. Com essa intervenção, os ônibus não vão mais competir com os carros no entorno da praça do Cauê e no trânsito da rua Almirante Soído.

“Os ônibus vão ganhar tempo nesse novo trajeto, primeiro porque estarão numa faixa exclusiva e não precisarão disputar espaço com outros carros. Além disso, eles não precisarão fazer tantas manobras e curvas para chegar até o acesso da Terceira Ponte, como hoje é necessário. Com menos raios de giro, os ônibus poderão se desenvolver mais”, explicou o titular da Setran, Tyago Hoffmann.

Ponto de ônibus
Outra mudança prevista para ser implantada com a nova faixa exclusiva é o remanejamento do ponto de ônibus que fica na rua Duckla de Aguiar. Hoje, o ponto fica muito perto do acesso à Terceira Ponte e, no horário de pico, acaba criando uma fila de carros atrás dos coletivos, com veículos que estão vindo da Almirante Soído e da avenida César Hilal.

Com o remanejamento desse ponto, será criada uma baia de ônibus na Duckla de Aguiar, antes do acesso à rua Almirante Soído. Assim, os veículos que vêm da praça do Cauê e da César Hilal não precisarão disputar espaço com os ônibus nesse trecho, uma vez que os coletivos ficarão acomodados na baia de ônibus.

“Nosso objetivo é organizar melhor o trânsito nesse trecho de acesso à Terceira Ponte, para dar mais fluidez nesse local”, explica Hoffmann.

terça-feira, 30 de maio de 2017

Secretário diz que integração entre Transcol e ônibus municipais está próxima

29/05/2017 - Folha Vitória

A informação foi repassada pelo secretário de Transportes (Setop), Paulo Ruy Carnelli, durante reunião junto a Comissão de Infraestrutura e Mobilidade Urbana da Assembleia Legislativa

Redação Folha Vitória

 “A Setop está investindo no projeto de integração que tende a melhorar a oferta e reduzir custos. E isso será estendido para o sistema de Vitória e Vila Velha com o bilhete único”, disse Carnelli
Foto: Divulgação
Cresce cada dia mais a possibilidade do sistema municipal de transporte coletivo de Vitória ser interligado ao Transcol na Grande Vitória. Com a integração, deve ter início também a utilização do bilhete único por parte dos usuários.

A informação foi repassada pelo secretário estadual de Transportes (Setop), Paulo Ruy Carnelli, durante a manhã desta segunda-feira (29) após reunião junto a Comissão de Infraestrutura e Mobilidade Urbana da Assembleia Legislativa.

“A Setop está investindo no projeto de integração, que tende a melhorar a oferta e reduzir custos. O grande benefício é que o Transcol integra sete municípios com uma tarifa. E isso será estendido para o sistema de Vitória e Vila Velha com o bilhete único”, disse Carnelli.

Além da possibilidade de integração dos sistemas, a reunião, que contou com a participação de vários deputados, dentre eles o líder do governo Rodrigo Coelho (PDT), tratou também de outros pontos importantes de mobilidade urbana para os capixabas, como as obras paralisadas do BRT, a volta do aquaviário e mudanças na forma de cobrança da tarifa.

Aquaviário

Com relação a volta do aquaviário, o secretário acredita que o retorno do sistema seria útil para melhorar a mobilidade urbana na Região Metropolitana, mas é preciso estudar formas viáveis de instalação do sistema, com integração também com os ônibus.

“Nós precisamos buscar uma forma atrativa para o sistema existir. Ele já existiu e foi muito importante. Mas, com a construção das Segunda e Terceira Pontes e ampliação do transporte coletivo, ele perdeu lugar em um momento. Hoje, já é outra realidade. Então precisamos pensar uma forma de tornar viável para o Estado e para o usuário”, explicou.

Quanto ao BRT, o secretário reafirmou que o projeto demanda um alto investimento, de quase R$ 2 milhões, e por conta disso não deve ser realizado nesse momento de crise.

Tarifa fracionada

Alguns estudantes do Senac, que participaram da reunião, questionaram Carnelli sobre a forma de cobrança realizada atualmente. A aluna Ester Andrade Cardoso, de 15 anos, sugeriu uma nova forma de cobrança de passagem, a tarifa fracionada.

“Não acho justo que uma pessoa que faz diariamente uma viagem curta, de alguns pontos de ônibus, pague o mesmo valor de quem faz uma viagem longa, passando por terminais. Seria mais justo, se cada usuário pagasse pelo trecho”, sugeriu a estudante.

Sobre o tema, a Setop explicou que, embora aparentemente justo para quem anda poucas distâncias, o formato seria prejudicial para quem precisa se locomover por longas distâncias. “O raciocínio é lógico e esse formato já foi adotado anteriormente. Mas a tarifa única foi uma conquista do usuário. O valor da tarifa, por exemplo, só se mantém em R$ 3,20 porque o governo faz subsídio. No ano passado, foi de R$ 110 milhões e prevemos o mesmo valor esse ano para manter o mesmo valor de tarifa”, explicou.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Linha 'Aeroporto - Guarapari' ganha novos ônibus e horários no ES

29/12/2016 - G1 ES

O valor da passagem do trajeto completo é de R$ 19,60.

O bilhete, agora, pode ser comprado pela internet.

Linha 'Aeroporto - Guarapari' ganha novos ônibus e horários (Foto: Divulgação/ Setur-ES)
Linha Aeroporto - Guarapari ganha novos ônibus e horários (Foto: Divulgação/ Setur-ES)

A Linha expressa 'Aeroporto de Vitória – Guarapari' ganha ônibus novos e mais opções de horários a partir desta quinta-feira (29). O local de embarque é novo, fica em frente ao desembarque. O valor da passagem do trajeto completo é de R$ 19,60. O bilhete, agora, pode ser comprado pela internet.

Três novos ônibus, com nova pintura, identificados como “Aeroporto Express”, farão o trajeto em cinco horários diferentes, partindo do Aeroporto de Vitória e de Guarapari.

Os veículos, segundo a Secretaria Estadual de Turismo (Setur), são equipados com assentos reclináveis, ar-condicionado, TV, Banheiro, Wi-fi, USB, espaço para bagagens e capacidade para acomodar até 46 pessoas sentadas.

A operação da linha começou em 2012, depois de uma parceria do Departamento de Estradas de Rodagem e da Setur.

A ampliação da linha foi feita também em parceria com a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) e atendendo a uma demanda da Associação de Hotéis e Turismo de Guarapari (AHTG), segundo a Setur.

Novidade

Os passageiros podem adquirir previamente, on-line, o bilhete no site da viação. Também é possível fazer a compra na hora do embarque (sujeito a disponibilidade de assentos). Durante o verão, auxiliares de bordo capacitados atuarão na linha para orientar e atender os passageiros.

O itinerário passará pelos principais hotéis da Orla de Camburi, em Vitória, pela 3ª Ponte e nos Shoppings, até Guarapari, pela Rodovia do Sol (ES-060), percorrendo um trajeto de cerca de 60 quilômetros, elaborado de acordo com levantamento prévio realizado com turistas e clientes do serviço.

As saídas do Aeroporto de Vitória serão nos horários de 08h15, 10h30, 13h, 16h30 e 19h30. As saídas de Guarapari, nos horários de 05h30, 08h, 11h, 14h e 17h30.

Serviço
Viação Alvorada: (27) 3261-0414 / 3222-0318

Horários
Saída de Vitória
08h15 – 10h30 – 13h – 16h30 – 19h30
Saída de Guarapari
05h30 – 08h – 11h – 14h – 17h30

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Todos os assentos serão preferenciais nos ônibus de Vitória


31/03/2016 - O Dia

Começa a valer no próximo dia 23 lei que estabelece nova prioridade para idosos, gestantes e pessoas com mobilidade reduzida

O DIA

Rio - Passará a valer no dia 23 de abril, em Vitória (ES), uma lei que torna todos os assentos dos ônibus da cidade preferenciais para idosos, gestantes, portadores de deficiência ou mobilidade reduzida e pessoas com criança de colo. A lei, proposta pelo vereador Fabrício Gandini (PPS), foi publicada no Diário Oficial do Legislativo Municipal no dia 22 de março.

No Rio, os assentos destinados a idosos, gestantes e pessoas com mobilidade reduzida são marcados na cor amerela

Foto: Ernesto Carriço / Agência O Dia

De acordo com o texto, as empresas permissionárias e concessionárias de transporte na capital capixaba ficam obrigadas a fixar, no interior dos veículos, placas informativas sobre a nova regra aos passageiros. A regra tem caráter educativo e não prevê multa ou qualquer tipo de sanção para quem não ceder seu lugar aos passageiros especiais.

Em sua justificativa quando apresentou o projeto, o vereador Fabrício Gandini esclareceu que o objetivo é incentivar a cidadania e bom senso dos usuários dos coletivos, “destinando e garantindo a preferência dos assentos para quem mais precisa deles”. Ainda segundo o parlamentar, o projeto é importante porque “a prática em ceder a vaga nos assentos nos coletivos não é muito constante”.

Vitória não é a primeira cidade do Brasil a tomar essa decisão. Em Santos, no litoral de São Paulo, lei semelhante entrou em vigor em novembro do ano passado. “É uma lei que passa primeiro por uma questão de cidadania”, defendeu o vereador que propôs a medida, Adilson Junior (PT). A prefeitura de Manaus (AM) tornou 100% dos assentos dos ônibus da cidade preferenciais em janeiro deste ano.

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Viagens de ônibus podem ficar até 20 minutos mais rápidas em Vitória

02/10/2015 - G1 ES

A partir deste sábado (3), os passageiros que circulam por Vitória vão ganhar mais tempo e economia no transporte coletivo municipal com a implantação do novo sistema de transporte da cidade. Para a Secretaria de Transportes da Capital (Setran), o Integra Vitória poderá tornar a viagem dos usuários até 20 minutos mais curta.

O Integra Vitória trata-se de uma readequação do modo de funcionamento do transporte coletivo. Para tanto, os micro-ônibus deixarão de ir de um ponto a outro da cidade e se tornarão linhas alimentadoras. Eles irão circular apenas dentro dos bairros, levando os passageiros até as principais avenidas de Vitória.

Nelas, os usuários farão baldeações, podendo ter acesso a todos os ônibus convencionais - que não serão alterados - sem pagar outra passagem. O inverso também será possível, isto é, sair do convencional e pegar o micro-ônibus.

30 minutos

Conforme explica o gerente de planejamento de Transportes da prefeitura, Heleno Barros das Neves, só é possível ter acesso à baldeação entre os ônibus adquirindo o cartão do sistema, já que através dele é calculado o tempo do trajeto do ponto onde o usuário faz o pagamento até o último ponto de integração.

"Quando a pessoa descer no ponto, ela terá 30 minutos a mais para embarcar no próximo coletivo sem pagar. Se houver qualquer problema vamos ajustar, mas esse tempo é suficiente para quem desce no corredor”, pontua o gerente.

O secretário geral do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros (Setpes), Jaime De Angeli, afirma que o objetivo da ação é otimizar o sistema, pois as linhas de micro-ônibus estavam se sobrepondo às convencionais em grandes vias. A expectativa é que agora o trânsito da cidade ganhe mais fluidez.

Com a mudança, 16 linhas de micro-ônibus serão reformuladas e terão novos nomes. No entanto, Heleno salienta que o trajeto dentro dos bairros não será modificado. Com o itinerário mais curto, os micro-ônibus serão mais frequentes.

"Esses ônibus passavam a cada 30 ou 40 minutos e agora vão passar de 18 a 20 em dias úteis. Aos sábados e domingos, a frota será reduzida, com intervalo de 30 a 35 minutos, dependendo da linha”, diz Heleno.

Pontos

Ao todo, 45 placas foram instaladas nos pontos da cidade, com informações sobre linhas de micro-ônibus e convencionais que passam nesses locais. Porém, a integração pode ser feita em qualquer ponto da Capital, de acordo com a conveniência do usuário

Cartões

Para ter acesso às baldeações os usuários precisam adquirir o cartão do sistema, que é gratuito. Até 10 de outubro, colaboradores do Setpes estarão nos ônibus vendendo cartões pré-carregados de R$ 5, R$ 10 e R$ 20. Os usuários também podem pedir o cartão na sede do Setpes. O cadastro requer CPF e número de telefone

Recarga - Os cartões poderão ser recarregados pela internet, no site do Setpes.

Reclamações

Em Caratoíra, os moradores estão insatisfeitos com as mudanças trazidas pelo Integra Vitória. Para o presidente da associação comunitária do bairro, Carlos Alberto Barbosa, há receio de que o número de ônibus e de linhas seja reduzido, superlotando as viagens.

Segundo Barbosa, a linha que passará pelo local passará por três outros bairros, alongando o trajeto. Já a necessidade do cartão para fazer as baldeações é mais um motivo de insatisfação.

Porém, o gerente de planejamento de Transportes da prefeitura, Heleno Barros das Neves, afirma que apenas a linha de micro-ônibus 202 (Caratoíra/Shopping Vitória) será alterada, sendo substituída pela 042 (Mário Cypreste/Parque Moscoso via Caratoíra ). Já a linha convencional 103 (Mário Cypreste / Jardim Camburi via Caratoíra) será mantida.

Heleno também reforça que a diminuição da frota de micro-ônibus será compensada pelo aumento do número de viagens e que o cartão do sistema é gratuito.

domingo, 26 de julho de 2015

Governo do ES não tem mais previsão para implantação do BRT

26/07/2015 - G1 ES

Leia: Corredor exclusivo de ônibus da Grande Vitória terá 43 estações - G1 ES

A conclusão das obras do BRT, corredor exclusivo para ônibus na Grande Vitória, não tem mais previsão para este mandato, segundo o secretário de Estado dos Transportes e Obras Públicas, Paulo Ruy Carnelli.

O BRT foi anunciado como grande promessa de melhorar a mobilidade urbana na região Metropolitana de Vitória pelo governo passado de Paulo Hartung e pelo de Renato Casagrande. O secretário já havia prometido que em janeiro que a obra seria prioridade, mas agora o cenário mudou.

A razão é a tão dita crise econômica enfrentada pelo país e pelo estado. Carnelli explicou que o projeto dependeria de recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e de uma contrapartida do estado, que neste momento não tem condições.

"O anúncio do projeto pressupunha um investimento de mais de R$ 700 milhões, dos quais R$ 200 milhões seriam a contrapartida do governo. Hoje esses R$ 200 milhões não existem", disse o secretário em referência a anúncio do projeto feito em outubro de 2013.

Em abril, o governo não definiu quando o BRT estaria efetivamente funcionando, mas garantiu que priorizaria a adequação de vias de acesso com a infraestrutura necessária à implantação da primeira fase do projeto.

Na sexta-feira (24), o secretário afirmou que estão garantidas algumas dessas obras, mas descartou os corredores exclusivos. "Daquele conjunto do BRT estamos colocando coisas que vão melhorar a mobilidade e que vamos fazer nesse período de quatro anos", disse Carnelli.

Uma dessas obras será em Vitória, com intervenções viárias no Portal do Príncipe para eliminar retenção de tráfego na região da Ilha do Príncipe e da Vila Rubim. Outra obra em Vitória é a construção de um túnel sob o morro de Monte Belo para que a Avenida César Hilal tenha continuidade até a Avenida Vitória, após a Fábrica de Ideias.

A terceira obra é em Carapina, na Serra, onde vai ser construída uma passagem subterrânea de veículos, entre o viaduto da Vale e a descida do Aeroporto de Vitória, para acesso à Avenida João Palácio, o que elimina o cruzamento com o semáforo.

As obras priorizadas estão estimadas em R$ 319,5 milhões, que utilizarão recursos do BNDES e do Estado. O orçamento prevê também intervenções na Terceira Ponte.

Outra obra também prevista no BRT e que continua em andamento é o da ampliação da Avenida Leitão da Silva, em Vitória, com custo de R$ 125 milhões.

O que está previsto

Obra

Etapas

A empresa que vai desenvolver o projeto das obras do Portal do Príncipe será contratada até outubro de 2015.

Projeto

Deve estar pronto em maio de 2016.

Início e conclusão

Início previsto para novembro de 2016 e conclusão para junho de 2018.

Vias

Serão construídos 3,5 quilômetros de vias com o novo projeto.

Histórico

Portal

A proposta de intervenção do Portal do Príncipe existe desde 2008, ano em que a obra foi prometida para 2012. A ordem de serviço da primeira etapa da obra foi liberada em julho do ano passado. Chegou a ser suspensa pela Justiça mas depois foi liberada.

O que já mudou na região

Obra

A obra iniciada ano passado previa um viaduto saindo do Porto de Vitória, mas que acabou sendo cancelado.

Prédio

Três prédios foram desapropriados e demolidos no ano passado para dar lugar às obras do projeto hoje cancelado.

Corte

Árvores ao lado do viaduto próximo à Rodoviária foram derrubadas no ano passado para receberem as obras do Portal do Príncipe.

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Linha exclusiva de ônibus já transportou 90 mil bikes em Vitória (ES)

13/07/2015 - Mobilize Brasil

Sistema tem alta ocupação, mas ciclistas pedem a construção de ciclovia na ponte que liga a capital capixaba ao continente

Marcos de Sousa
 
Linha exclusiva de ônibus já transportou 90 mil bi

Linha exclusiva de ônibus já transportou 90 mil bi
Ônibus do Bike GV: opção para travessia da Terceira Ponte
créditos: Ceturb-GV

Vitória (ES) fica numa ilha e três pontes unem a cidade a outras localidades que compõem a região metropolitana, no continente. A mais nova delas, a chamada Terceira Ponte, é proibida a pedestres e ciclistas, obrigando pessoas e bicicletas a fazer um percurso de 21 km para ir da capital à vizinha Vila Velha.
 
Em dezembro de 2013, depois de vários protestos dos ciclistas capixabas, a Ceturb-GV, empresa que opera o sistema de ônibus metropolitano lançou a Bike GV, uma linha de ônibus exclusiva para ciclistas e suas bicicletas. Os ônibus são dotados de mecanismos próprios para a fixação das bicicletas, que viajam travadas, e fazem a travesia dos 3 km da ponte com uma tarifa de R$ 1,20.  A tarifa equivale a 50% do valor da passagem das linhas regulares do sistema de ônibus. O sistema conta com dois ônibus, cada um com capacidade para até 17 bicicletas e seus respectivos donos. 
 
Segundo a Ceturb-GV, a linha é monitorada diariamente e com a ajuda dos próprios ciclistas já foram feitos alguns ajustes para melhor atender aos usuários. Um exemplo: o ponto de Vila Velha, que ficava ao lado do Terminal Vila Velha, foi transferido para uma rua mais próxima à entrada da ponte. Alteração semelhante foi feita no lado de Vitória, o que permitiu a redução do tempo de viagem nos horários de pico, por evitar os congestionamentos na área. Dados da Ceturb-Gv indicam que em um ano e oito meses de operação, o Bike GV transportou mais de 90 mil passageiros e suas respectivas bicicletas, com 13,8 mil VIAGENS E média de 166 passageiros/dia.
 
Ciclistas pedem ciclovia na ponte
O sistema foi bem recebido pelos ativistas locais, mas como uma medida paliativa, "que não resolve o problema" da circulação de ciclistas na região metropolitana de Vitória. "O ônibus fica parado no meio do congestionamento da ponte e os ciclistas ficam presos lá dentro, às vezes por 45 minutos. O que nós desejamos seria a construção de uma ciclovia na própria ponte, permitindo a travessia rápida, a qualquer hora, sem a cobrança de taxas. Os carros pagam R$ 0,80 para cruzar a ponte; por que os ciclistas têm que pagar R$ 1,20? ", pondera Rafael Darrouy, cicloativista da região.
 
Ele lembra que o governo do estado planeja ampliar a ponte, com a construção de mais uma pista em cada sentido, mas não atende ao pedido da população ciclista, que há vários anos pede a implantação de uma ciclovia na Terceira Ponte. "Há soluções de engeharia que permitiriam a circulação de bicicletas em segurança. Por exemplo, seria possível agregar uma pista em estrutura metálica embaixo do tabuleiro da ponte. Para evitar acidentes, bastaria incluir uma envoltória, como uma gaiola ao redor da pista de bicicletas", argumenta Darrouy.
 
Mesmo assm, o cicloativista defende a continuidade do Bike GV e pede que as autoridades ampliem a integração do transporte público com o sistema cicloviário. "Todos os ônibus de Vitória deveriam ter ganchos para o transporte de biclcietas, de forma que as pessoas possam completar as viagens com suas bikes em qualquer horário do dia", defende o representante dos ciclistas.
 
Segundo a Ceturb-GV, a linha conta com dois veículos, sendo um de reserva, e faz viagens a cada 30 minutos, nos horários de pico, e a cada 45 minutos fora do pico. Recentemente, o horário foi estendido para as 23 horas (funcionava até as 20h30) para atender a estudantes universitários e trabalhadores dos dois municípios que saem depois das 22 horas.